Paradisíaca Ilhéus com cheiro de cacau e gosto de chocolate


por omelhordaviagemRede Catraca
O que fazer em Ilhéus? Esse maravilhoso destino de praia, dos romances de Jorge Amado, dos coronéis de cacau,  da Gabriela Cravo e Canela e de tantos personagens que pularam dos livros para novelas e filmes, renasce depois de vencer a devastadora Vassoura de Bruxa, praga que assolou as lavouras de cacau e levou a rica região a viver anos de terra devastada.
       Praias paradisíacas em Ilhéus – foto Mauricio Maron
Com as lindas paisagens que a tornaram um destino turístico internacional, a história do cacau que trouxe tanta riqueza à região e agora a promissora rota do chocolate, Ilhéus aposta todas as suas fichas para se consolidar como um dos destinos de experiências mais interessantes do Brasil.
          Cacau, o fruto de ouro – foto Ana Paula Garrido

As belezas naturais continuam intocáveis. São muitos quilômetros de areia branca e lindos coqueirais em praias maravilhosas, muitas delas ainda tão desertas, onde se vê apenas barquinhos de pescadores em busca de cardumes nadando em águas mornas e cristalinas.

      Praias desertas e paradisíacas – foto Maurício Maron

A cidade guarda ainda um clima de interior e alguns monumentos que marcaram a opulência da época dos coronéis, quando o cacau era a fonte de riqueza da região. Basta sentar num banco de praça e imaginar os divertidos personagens de Jorge Amado circulando entre o bar do árabe Nacib, Gabriela descalça, brincando com as crianças na rua, enquanto os coronéis em ternos de linho se apressam a caminho do Bataclan, o mais famoso cabaré da cidade.

A casa de Jorge Amado 

                  A casa de Jorge Amado – foto Ana Lee

Para entrar no clima Amadiano, uma visita à casa da família de Jorge Amado é a primeira coisa que deve ser feita para quem visita a cidade, já que ali surgiram as primeiras inspirações para o então menino que se tornaria um dos mais respeitados escritores do planeta. Sr. João, pai de Jorge, ganhou um prêmio da loteria e mandou construir a casa com o que tinha de melhor na época: piso de madeira nobre, mármores e azulejos vindos do exterior, etc. Além da casa, João também comprou fazendas de cacau e um título de coronel, que naquela época, era sinônimo de riqueza e garantia de respeito na sociedade ilheense.

         O Bar do Nacib

                   foto Ana Lee-  Vésúvio, o  bar do árabe Nacib

Próximo da casa de Jorge está um dos famosos cenários de seus romances, o Vesúvio, bar do Nacib, que costumava reunir os coronéis e os homens importantes da cidade, para rodadas de drinks e bate papo. Era a beleza de Gabriela e seus quitutes que movimentam o local. Reza a lenda que o bar, vizinho à igreja frequentada pelas “senhoras de família”, tinha uma passagem secreta para o Bataclan, a “casa do pecado”. Dizem que os coronéis pediam para o padre prolongar a missa. Avisados pelos sinos da igreja que a missa estava no fim, os coronéis voltavam de suas escapadas pela passagem secreta, direto para as mesas do Vesúvio. Desta forma, as esposas ao saírem da missa, não tinham dúvidas que seus comportados maridos estavam num lugar bem frequentado e não no temido cabaré. Deu para imaginar a cena?

Diversão no Bataclan 

                   foto Ana Lee-  Bataclan , o famoso Cabaré de Ilhéus

Era no Bataclan, o mais famoso cabaré da cidade, onde segundo Amado, “as moças de vida fácil”, vindas das cidades grandes e até mesmo da Europa, “divertiam” os coronéis e homens importantes da região. Hoje, o local é um espaço cultural,  restaurante e museu, com objetos e fotos que reproduzem o aposento de Maria Machadão, a cafetina que transformou o Bataclan no lugar mais conhecido e falado de Ilhéus.

Turismo rural nas  fazendas de cacau

                    Varanda da fazenda Yrerê  – foto Ana Lee

E como viviam esses coronéis na época em que os frutos de ouro brotavam das árvores e traziam riqueza para os felizardos donos daquelas terras? Para mergulhar nessa fascinante história é preciso conhecer as típicas fazendas de cacau na região, como a charmosa  Yrerê e a lindíssima fazenda Provisão. Um programa bem interessante é fazer um turismo rural, observar as roças de cacau da varanda da fazenda, como faziam os coronéis, exploras as matas e roças, conhecer o processo do plantio do cacau, colher o fruto, experimentar seu suco, sentir o cheiro das amêndoas secando, e ainda se deliciar com um bolo de chocolate saído do forno.

                   foto Ana Lee – Da varanda, os coronéis olhavam suas fazendas

A vida boa dos coronéis de cacau

Já a Provisão, na beira do rio Almada, é uma típica fazenda de cacau. Com sede lindamente decorada com objetos da época dos coronéis, grandes barcaças para secagem do cacau e uma pequena capela. Beto Novaes, bisneto do coronel Domingos de Sá, recebe grupos de turistas curiosos para conhecer como era a vida em uma fazenda de cacau. Novaes, que também é Chef de cozinha, reproduz as famosas receitas da sua bisavó em almoços deliciosos para grupos de turistas, enquanto conta as divertidas “estórias” do coronel. Além de longas temporadas na França, seu bisavô de tão rico, fumava cigarros em notas de dinheiro. Acrescenta que numa determinada safra, jogou toneladas de amêndoas fora, por não ter onde armazenar toda a produção de cacau.

                    foto Ana Lee – A sede da fazenda Provisão

Naquela época, quando o cacau era o fruto de ouro e dinheiro nascia em árvore,  esbanjar não era problema, era a regra! Dá para imaginar? E para uma experiência ainda mais rica, também é possível se hospedar na fazenda, fazer trilhas na mata e navegar pelo rio. 

Do cacau ao chocolate 

       Amendôa do cacau , a matéria-prima do chocolate – foto Ana Paula Garrido

Sem imaginar o que aconteceria com o cacau décadas depois, quando uma praga criminosa acabou com a riqueza das roças, os herdeiros das fazendas, buscaram outras formas de sair da crise. Enquanto o fruto se recuperava, a quarta  geração dos coronéis, voltou para as fazendas abandonadas e começou a cultivar novos frutos clonados até produzir chocolates de alta qualidade.

       As novas marcas baianas  de chocolate  – foto Ana Paula Garrido

Assim nasceram empresas como a Chor, Maltez, Amado Cacau, Amma, Mestiço, Coroa Azul, etc, que estão produzindo chocolates diferenciados, com ótima aceitação no mercado. Já a empresa Mendoá, montou uma fábrica na própria fazenda e estuda oferecer aos turistas a experiência de conhecer todo o processo, da colheita do cacau até a produção final do chocolate. 

       Fabrica de chocolate Mendoá  – foto Ana Paula Garrido

Spa com cacau e chocolate 

      Cacauterapia no Meu Querido Spa – foto Thales Alberto

E já que o assunto é cacau e chocolate, não basta apenas provar os frutos e comer o chocolate, mas que tal uma massagem relaxante com manteiga de cacau, ou uma máscara facial com chocolate ou até mesmo uma exfoliação com nibs de cacau? Essa é a proposta do Meu Querido Spaum aconchegante espaço com serviço de cacauterapia. Além de super relaxantes e com aromas deliciosos, os tratamentos promovem hidratação profunda e ação antioxidade. Uma delícia de programa!

Turismo rural, lindas praias, história, romances, cacau a perder de vista e chocolates especiais, para quem procura experiências inesquecíveis, Ilhéus oferece isso e muito mais!

Veja a matéria original para o Catraca Livre.

Quer saber mais sobre as fazendas de Cacau?   Acesse o link

A jornalista Ana Paula Garrido, do blog O Melhor da Viagem, viajou a convite de Chocolat Bahia com receptivo Encantos Turismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *